Katrynne Barbosa
A pior fase da minha vida concerteza foi quando eu me apaixonei pela 1ª vez. Eu descrevo aquela fase como um arco-íris, mas só de uma cor: PRETO!
Eu conhecia esse garoto desde a minha infância, mas nunca tinha reparado nele de outro jeito, sabe; eu fui chegando na adolescencia com todas as malas nas mãos. E então eu comecei a olhar pra ele de outra forma, mais profunda, cada vez mais! Sentia coisas diferentes quando o via, meu coração faltava pular pra fora e parecia que eu tinha engolido uma pedra de gelo junto com mil barras de chocolate com amendoim(ou seja, dor de barriga)!! Eu tinha 13 anos... Achava impossível um menino lindo daquele me dar bola. Até que de repente(mesmo), foi ele quem começou a me olhar diferente, e eu, claro, estranhei aquilo, porque ele sempre me esnobava. Eu era tão boba e imatura, nunca tinha beijado! E chegou um certo dia, que ele chegou pra mim, falando coisas que eu sempre imaginava ouvir dele, eu mal acreditava... Eu era como qualquer adolescente de 13 anos, sonhava demais...! Enfim, ele me perguntou se eu ficaria com ele, e eu, morrendo de vontade de gritar ''SIM'', disse com calma que iria pensar; não me condenem, eu precisava processar tudo aquilo, afinal, ele era o meu 1º amor.(Own) No outro dia, ele veio me procurar, a gente conversou um pouco, e então eu fui deixar ele até o fim da rua(reparem que quem faz isso normalmente é o menino), e então ele virou e disse: EU NÃO POSSO IR EMBORA SEM TE BEIJAR! - eu me lembro exatamente até hoje! E ele me beijou... Meu primeiro estranho beijo!! Confesso que o beijo não foi dos melhores, foi bem estranho mesmo na verdade, mas só por ter sido com o meu 1º amor, naquele dia era tudo pra mim. Chegamos a ficar uma 2ª vez, mas depois disso ele mudou, ficou estranho, meio sem jeito de vir falar comigo e eu me magoava cada vez mais. Foi meu 1º buraco negro, decepção, ilusão. Meu antigo diário é cheio de páginas que falam sobre a angústia que eu tava vivendo a flor da pele naquele tempo, sem brincadeira gente, era um drama mesmo. Parecia que o tempo tava fechado pra mim, chovia todo dia, e eu derramava mais lágrimas do que os pingos da chuva! Cada vez mais eu ia me fechando nesse buraco negro, me acostumando com o que eu tinha e o que restou dele na minha mente, eu me segurava naquilo. Mas ele me humilhou, não valorizou algo que pra mim era o que tinha de bom pra oferecer só pra ele: o meu amor verdadeiro. E então eu definitivamente me fechei naquela escuridão, cega! Mal vivia e mal ouvia as pessoas... Menos sentia algo, eu tava dormente de tanta dor! Eu vivi presa e fechada por exatamente 3 anos. Eu tinha esquecido ele, mas o trauma tava ali, o medo de tentar de novo com alguém também tava ali, mas eu consegui me libertar, não foi nenhum dia fácil; mas eu me libertei! Até hoje, eu honestamente não sei de quem foi a culpa, se foi minha ou dele, não sei mesmo. Até hoje não entendo o porque ele mudou e me distratou daquele jeito, mas já passou, e como eu sempre falo, TUDO MUDA!
Eu quis falar disso hoje, porque, as vezes o nosso passado nos machuca por tanto tempo, e você
precisa contar algo que já passou, pra ver como você pode mudar, sacudir a lama e levantar; foi o que aconteceu comigo. Foi a pior fase da minha vida, e você pode tá passando pelo mesmo, ou se não, parabéns! Faça o que puder pra não deixar as pessoas pisarem em você, porque elas acabam se acostumando e você também! Eu levei bastante tempo pra recomeçar e superar isso, 3 anos horríveis, mas quer saber como eu superei? - Eu saí do buraco negro que eu me encontrava, e ví o sol brilhar pra mim de novo. Vi as cores, as pessoas e agradecí a Deus pela misericórdia e amor dEle, que foi minha força maior. O que você ainda tá fazendo presa aí dentro desse buraco interior chamado amargura ? Levanta, sacode a lama e vem ver o sol brilhar !


| edit post
Reações: 
2 Responses
  1. Eu amei esse post.Tem um jeitinho assim de falar sobre algo que naquele momento era o fim do mundo e agora já passou,mas sem parecer um drama suicída e sim uma lembrança de adolescente.


  2. hsuahsu'Obg, flor! Tudo isso foi muito real, e hoje eu posso rir de tudo isso! :D


Postar um comentário